Boa notícia: BDMG reabre crédito barato a microempresas de MG

Banco mineiro já desembolsou R$ 215 milhões na 1ª fase do Pronampe e, agora, está colocando à disposição mais R$ 203 milhões

(Foto: João Paulo Viegas/BDMG/Divulgação)

O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) reabriu cadastro, em seu site, para as micro e pequenas empresas de Minas Gerais interessadas em obter crédito por meio do Pronampe, programa do Governo Federal de crédito a juros baixos. Na 1ª fase da oferta, o Banco distribuiu 100% do limite de aproximadamente R$ 215 milhões em apenas seis dias. Segundo o banco, agora estão sendo colocados à disposição mais R$ 203 milhões.

OPronampe opera com juros de apenas 1,25% ao ano + Selic, com prazo total de 36 meses para pagar, sendo 8 meses de carência. O crédito pode ser aplicado em capital de giro ou em investimentos. Já o limite para solicitação é de 30% da receita bruta da empresa em 2019, sendo o valor máximo, estabelecido pelo Governo Federal, de R$ 100 mil por empresa.

Como diferencial na operação da linha, o BDMG não exige a contratação de outros produtos para ter acesso ao crédito, como ocorre em muitos bancos comerciais, nem a necessidade de abertura de conta bancária. A contratação pode ser feita online no site do banco (bdmg.mg.gov.br) ou por meio de seus correspondentes bancários.

Nova linha de crédito

Conforme as regras do Pronampe, estão aptas a pleitear o crédito as micro e pequenas empresas com data de fundação até 18 de maio de 2019 e faturamento anual de até R$ 4,8 milhões. Pensando nas pequenas empresas com faturamento anual na faixa entre R$ 4,8 milhões e R$ 30 milhões – portanto, não cobertas pelo Pronampe – o BDMG está lançando uma linha de crédito específica: o Giro Mais Emergencial.

O Giro Mais Emergencial pode chegar a juros 38% menores do que os praticados anteriormente pelo Banco para o segmento: partem de 0,49% ao mês + Selic. A TAAC (Taxa de Abertura e Acompanhamento de Crédito) foi reduzida de 2% para 1%. O prazo de pagamento é de até 60 meses, com carência de 6 meses para começar a pagar.

“Ao operar a nova etapa do Pronampe e desenvolver linha especial para as pequenas empresas de faturamento um pouco maior, o BDMG está injetando um novo fluxo de liquidez na economia mineira e contemplando uma faixa maior de clientes. É nosso papel, como banco de desenvolvimento, atuar de forma anticíclica à crise deflagrada pela pandemia”, ressalta o presidente do BDMG, Sergio Gusmão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Article Categories:
Minas em númerosÚltimas