Salvação da lavoura em 2020: agronegócio de MG aposta no café especial

Dados apontam que quase 7 milhões de sacas do produto foram exportadas nos 11 primeiros meses do ano civil

  • por em 4 de janeiro de 2020 | atualizado: 13/02/2020 - 12:11

(Foto: piqsels.com)

Da redação
redacao@interessedeminas.com.br

O crescimento da demanda por cafés especiais é uma das grandes apostas do agronegócio mineiro para 2020. Líder nacional no cultivo da commodity, o estado busca se consolidar também como referência na produção de grãos com qualidade superior e certificado de práticas sustentáveis. 

Dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafe) apontam que quase 7 milhões de sacas do produto foram exportadas nos 11 primeiros meses do ano civil.

Segundo a entidade, o volume equivale a “18,6% de participação do total de café exportado neste ano até o momento e um crescimento de 23,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior”.

“Chegamos a um patamar interessante de exportação desse café diferenciado porque o preço é pelo menos 15% superior ao valor do café commodity, podendo custar até o dobro”, explica o assessor técnico especial do café na Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), Niwton Moraes.

“Vale lembrar que a qualidade não tem tanta vinculação com a variedade, mas sim com a condição climática, a altitude e o zelo do produtor com a colheita”, analisa o especialista.

Em 2019, Minas produziu cerca de 24 milhões de sacas de café commodity, ou seja, sem a classificação especial. O recuo é de quase 30% em relação a 2018, o que torna ainda mais urgente a recuperação em 2020.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Article Categories:
PerspectivasÚltimas