Alívio momentâneo: 13º salário deve injetar R$ 20 bi na economia mineira

Em Minas Gerais, cerca de 8,6 milhões de trabalhadores irão receber o benefício

(Foto: Pixabay.com)

Da redação
redacao@interessedeminas.com.br

A proximidade das festas de fim de ano deve reanimar, mesmo que momentaneamente, a economia mineira. É o que prevê estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), apontando que quase R$ 20 bilhões devem ser injetados no estado com o pagamento do 13º salário.

Em Minas Gerais, cerca de 8,6 milhões de trabalhadores irão receber o benefício, o que corresponde a quase 30% da região Sudeste e 10,7% do total nacional. No país, o rendimento médio adicional de cada beneficiado será de R$ 2.451.

A perspectiva apontada pelo estudo já reflete entre os empresários. Pesquisa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) apontou que o Indicador de Confiança do Empresário (ICE) chegou aos 71,3 pontos – maior índice da série histórica iniciada em 2016.

“A confiança dos empresários aumentou tanto na economia interna neste momento quanto para os próximos seis meses. O desemprego, embora alto, está em desaceleração e o 13º salário é o que fomenta a economia do comércio no segundo semestre”, detalha a economista da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Ana Paula Bastos.

Quitação de dívidas também será prioridade

Três em cada 10 trabalhadores na capital mineira vão usar o 13º salário para quitar contas atrasadas, revela monitoramento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead/UFMG).

De acordo com o estudo, 29,9% dos entrevistados disseram que irão pagar boletos, dívidas com cartão de crédito, cheque especial, financiamentos, dentre outros. O percentual é maior do que o registrado no ano passado, quando 25,77% usaram a quantia para colocar as contas em dia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Article Categories:
Minas em númerosÚltimas