Medo redobrado: tremor de terra tira o sono da população de Congonhas

O risco de rompimento do reservatório já aterrorizava moradores, conforme mostrado por Interesse de Minas em março

(Foto: Patrícia Adriely)

Da redação
redacao@interessedeminas.com.br

O tremor de terra ocorrido em Congonhas na noite da última segunda-feira (25) tornou ainda mais perturbadora a rotina dos moradores da cidade da região Central de Minas, que abriga a barragem Casa de Pedra – a maior do país construída em área urbana.

O risco de rompimento do reservatório já aterrorizava moradores, conforme mostrado por Interesse de Minas em março. Agora, com o abalo de 3,2 graus na escala Richter, o medo se tornou ainda maior.

LEIA TAMBÉM:
Em Congonhas, moradores viveram o carnaval da angústia e da revolta; em 8 segundos, lama da barragem pode chegar às suas casas

Em inspeção feita pela Agência Nacional de Mineração (ANM), a barragem não apresentou dano na estrutura. Mas, segundo o órgão, apesar de a Casa de Pedra ser considerada de baixo risco, a proximidade com as casas torna alto o dano potencial associado.

Os números assustam. O reservatório tem capacidade para armazenar cerca de 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos e mede 76 metros de altura. De acordo com estimativas do Ministério Público, diante de um eventual rompimento, a lama chegaria às primeiras casas em 30 segundos, o que tornaria impossível a intervenção dos Bombeiros ou Defesa Civil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Article Categories:
Papo retoÚltimas