Fiemg defende apuração rigorosa em Brumadinho e ressalta a importância da indústria mineradora

Presidente da Fiemg afirma que a entidade defende uma investigação rigorosa sobre as causas do rompimento para que isso não volte a acontecer

“O lamentável e doloroso rompimento da barragem Córrego do Feijão exige da sociedade mineira profunda reflexão”. A afirmação é do presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, sobre a tragédia em Brumadinho (MG).

Ele afirma que a Fiemg defende uma investigação rigorosa sobre as causas do rompimento para que esse tipo de tragédia não volte a acontecer. “O cenário exige de todos serenidade para entender, compreender e analisar os fatos. Nossa primeira preocupação, neste momento, é apoiar e garantir assistência às vítimas e às suas famílias. É isso o que estamos fazendo no Sistema Fiemg. Temos total confiança na capacidade da Vale de tratar a questão com a agilidade e seriedade que o assunto merece”, declara.

Leia também:

Rompimento da barragem em Brumadinho: Minas Gerais ainda não tem dimensão da tragédia

Depoimento: “Em segundos, muitas pessoas haviam sido engolidas pela lama”

Luto e medo: moradores de Brumadinho temem novos desastres e se preparam para fuga emergencial

Ao defender a rigorosa investigação do episódio, Roscoe ressalta a necessidade de preservar a indústria da mineração e as empresas que nela operam. “A existência de recursos naturais em nosso país e as empresas que nele atuam não prejudicam ninguém. Pelo contrário, geram benefícios, principalmente sob a forma de empregos e na geração de recursos, via impostos, para financiar políticas sociais”, afirma.

Para Flávio, não se deve demonizar a atividade mineradora e nem as empresas. “A indústria precisa se adaptar às novas exigências da sociedade. Tragédias como essa não podem mais acontecer. Essa é a nossa posição – a posição da indústria”, finalizou.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.