Para presidente do Conselho de Economia, renegociar dívida de MG com União deve ser prioridade

Segundo Bretas, quitação da dívida de Minas deverá vir acompanhada de contrapartidas, como corte severo de gastos e privatizações

Raul Mariano
raulmariano@interessedeminas.com.br
foto do presidente do Corecon, Paulo Bretas
Segundo Bretas, o prazo para quitação da dívida de Minas terá contrapartidas, como o corte de gastos e privatizações (Crédito: Divulgação / Corecon-MG)

Renegociar a dívida do estado com a União deve ser a prioridade número 1 do governador Romeu Zema para que ele consiga governar nos próximos quatro anos. A afirmação é do presidente do Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (Corecon-MG), Paulo Roberto Bretas.

A análise do economista ocorreu após o encontro de Zema e seu vice, Paulo Brant, com o presidente Jair Bolsonaro na última quarta-feira (16/01). Na ocasião, eles discutiram sobre a renegociação da dívida de Minas Gerais com a União, que pode chegar a cerca de R$ 30 bilhões.

Além disso, o governo estadual está impedido de realizar operações de crédito tendo o governo federal como “fiador” até agosto desse ano, pois, em 2018, a União foi obrigada a cobrir o calote de R$ 553,1 milhões dado pela administração mineira em dois empréstimos.

Leia também:
Zema encontra governo falido e com dívida de R$ 85 bi com a União: conheça os principais desafios do novo governador

Para Bretas, o prazo para quitação da dívida de Minas precisa ser expandido, a exemplo do que aconteceu com o Rio de Janeiro. Mas o novo acordo, acrescenta o economista, deverá vir acompanhado de contrapartidas, como o corte severo de gastos e algumas privatizações.

“A União vai fazer com Minas o que o Fundo Monetário Internacional (FMI) fez com o Brasil”, compara. “Vai colocar exigências para que haja lastro, ou seja, a certeza de que essa dívida será quitada”, explica o economista.

Bretas pondera que, no entanto, a negociação precisa ser feita levando-se em conta o que é menos danoso para as políticas sociais. “A gente precisa de um estado capaz de repassar recursos constitucionais para os municípios, manter saúde, educação e segurança funcionando e ainda garantir pagamentos em dia para os servidores”, avalia.

Visualizar esta foto no Instagram.

Pessoal, estive o dia todo hoje em Brasília para tratar dos interesses de Minas que precisam de soluções imediatas. Eu e meu vice Paulo Brant nos reunimos agora há pouco com o Presidente Jair Bolsonaro e tratamos de assuntos como a renegociação da dívida de Minas Gerais com a União (estimada em cerca de R$ 87 bilhões) e investimentos em concessões de rodovias federais que cortam nosso estado, que tem a maior malha rodoviária do Brasil, a exemplo das BRs 381 e 262. Também oferecemos todo nosso apoio para que as reformas da Previdência e Fiscal sejam realizadas o mais breve possível. Estamos trabalhando e estreitando os laços para que possamos ter uma Minas Gerais eficiente e um Brasil diferente. #RomeuZema #NOVOgovernoMG #MinasGerais #GovernodeMinas

Uma publicação compartilhada por Romeu Zema (@romeuzemaoficial) em 16 de Jan, 2019 às 11:59 PST

Zema publicou foto do encontro nas redes sociais
(Crédito: Reprodução / Instagram)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Article Categories:
EntrevistaÚltimas